segunda-feira, 10 de janeiro de 2011

Visão

Eu vi energias transformadas
Substâncias nocivas aliadas a ignorância
Álcool de agua?
- ou seria agua como álcool?
ou álcool como agua?

Horas sem perdão
Minutos sem emoção
Conversas intermináveis

Assistir as cicatrizes alheias abertas
Não gostei do que vi
Minhas retinas recusão
 destemperos físicos

Parecem  bolos sem fermento,
 cereja fresca sem o talo,

-cigarro apagado
-Corpo esgotado
-sorriso apagado

Amor sem prazer!
ou
Prazer sem amor!

Assistir um show sem energia
no palco,
haviam monstros plasmados
inflamados de egoísmo e dor
a procura de seiva para alimentar seus estopores intermináveis.

-ser estopa de sofrimento fantasmagórico!
Nunca!
Jamais!

A vida é o que voce permite que ela seja.
-Siga a energia pura...

Nica

2 comentários:

  1. Imagino sobre o que você se refere.
    Concordo totalmente.
    Bom tema, bom poema.
    Duro é conviver com esta realidade, mas, paciência...
    Beijo,
    Stélio

    ResponderExcluir
  2. Oi Stélio

    Com certeza o convivio é o pior!
    mas acredito que tudo na vida passa
    então é esperar...
    Obrigada por sua visita!
    bj

    ResponderExcluir

Agradeço seu carinho!

Casa do Poeta de São Paulo

Casa do Poeta de São Paulo
Presidente Wilson Jasa, Vice Presidente Adriano Augusto, Embaixadora Cultural

Movimento Poético

Movimento Poético

Associação de Poetas Portugueses

Associação de Poetas Portugueses

Casa do Poeta de São Paulo

Poderá também gostar de:

Postagens antigas

Seguir

Obrigado à todos visitantes!

Maria Ruth

Maria Ruth
Artista Plastica

Titulo - Criação By Nicah Gomes

Titulo - Criação By Nicah Gomes
Tela - Acrilico TM 1x20 1.00

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Translate