quarta-feira, 29 de junho de 2011

Conto - Ludivik Persona I

Ludivik ,era o filho mais velho Madame Lethena e Lord Luc More  eram ao todo tres irmãos de uma familia abastada na frança, seus pais extremamente amorosos, seus irmãos Juliet , Alfred o idolatravam.

             A maneira carinhosa  como Ludivick era chamado pelo seus entes queridos era Luvi, que por sua vez estudava na capital Paris, um rapaz inteligente, amavel dono de uma indiscutivel postura
acompanhado de uma voz aveludada, olhos insinuantes, notável ser humano, porém ninguém imaginava o quão maquiavel e dissimulado era Luvi, o todo queridinho e sempre esperado com
grande recepções.

 - Um certo dia Luvi entediado em paris resolvera fazer uma  visita surpresa para sua familia em Versailles a cidade onde nascera.

Quando Luvi  chega  ao castelo que se chamava "Bom Juor" se depara
com seu irmão Alfred, abraça-o sorridentemente,  em seguida olhando a sua volta naquela ampla sala adornada  com gigantescos  lustres de cristais , sofas aveludados, cristaleiras, tapetes e janelas gigantescas, pergunta? onde estão todos?
  Alfred surpreso  feliz  com a chegada de Luvi - responde!
- acho que estão todos em seus devidos aposentos meu querido Luvi!
então Luvi segue em direção a ala dos aposentos.
  De repente   para em frente ao   quarto da falecida Juliet sua irmã. Ao qual explicarei em breve essa historia.
Luvi fica paralizado em frente a porta, respira fundo e resolve abrir a porta,
  para sua surpresa se depara com uma cena intrigante, la estava  o jovem "a menina dos olhos de Luvi" com lindos cabelos dourados, uma pele rosada, com labios delianados e delicados, o jovem escutando passos, girou o rosto lentamente para ver o que vinha atraz daqueles ruidos e encontrou seu olhar aos olhos de Luvi,  que por sua vez estavam estarrecidos com aquela cena !

 Luvi pensava,  aquela escultura humana estava ali banhando-se numa linda banheira esmaltada desprovido de qualquer reação!
 o jovem continuou em silencio pela  surpresa, Luvi  aproxima-se suavemente, com o corpo tremulo, a ponta dos dedos gelados levanta as mãos e as conduz ao   pescoço
do jovem Adrian que possui longos e flutuantes cabelos dourados, uma tez rosácea irresistivel.

Tudo que   Luvi sonhara em sua vida era ter Adrian em seus braços, então  aproxima seus labios  naqueles cabelos brilhantes  macios e bem devagarinho escorre os dedos por entre aqueles fios acetinados,  como um passe de magica entra em um universo proibido, o corpo de Luvi ganhou uma sensação dos deuses   ele fica submerso naquele desejo e esquece completamente que esta no castelo Bom Jour, com gesto sutil conduz o jovem até o leito, abraça-o  loucamente seguido de beijos selvagens temperados com misterios assim Luvi acaba por possui o jovem Adrian.

Quando de repente Alfred adentra o quarto
 se depara com aquela cena boquiaberto exclama em voz alta !  meu irmão!
Como? foi capaz? 
Alfred segue gritando Adrian voce e a Juliet? nunca? não entendo?
Adrian envergonhado sai correndo do quarto com os cabelos molhados, as roupas nas mãos em direção
ao bosque.

 Luvi desesperado sai do quarto  começa a pensar em como poderia resolver aquele flagrante, imediatamente. Agora vamos esclarecer a historia de Juliet.A cabeça de Luvi estava rodando tudo que ele tinha fingido esquecer voltara a todo vapor, a cena do assassinato que ele cometera contra sua irmã Juliet, ele pensara aquilo não, não aconteceu quero esquecer!

   Apaixonado pelo Adrian  noivo de sua irmã Juliet, Luvi deixou-se levar pela vaidade e demoniasmo que possuia em seu coração, não via outra alternativa que não fosse acabar com a existencia de Juliet.

     Assim  elaborou um plano de morte para sua irmã .Ele descobrira em sua universidade que arcenico poderia matar, no entanto precisava saber como iria dispor desta substancia para Juliet, foi neste momento que Luvi olhou para  Maria uma das criadas do castelo Bom Juor, e lembrou que ela sempre o olhara com desejos ilicitos então resolvera aproveitar de tal situação, chamou-a  para dar uma caminhada pelo jardim teceu-lhe  juras de amor seguido de um pedido para assim concretizar suas intensões ja que a pobre servisal sonhara tanto com aquele momento junto ao seu objeto de desejo.
Luvi  então entregou um frasco  para Maria ordenou-a que todos os dias levasse  bebidas, chás, sucos para juliet  e colocasse gotas daquele frasco nas bebidas e assim Maria o fez.

Juliet era uma menina bonita  feliz com seu noivo Adrian tudo lhe parecia perfeito até chegar as noites que viraram dias pois ficava todas em claro graças as dores homericas no estomago, a infeliz gritava toda a noite e Maria escutava la dos fundos e mesmo assim não se comovia haja visto estava mais preocupada com o dia em que consumaria suas vaidades infames.

E assim passado o tempo Juliet veio a obito e ninguem desconfiava do plano maquiavem de Luvi, porém naquele instante em que  Alfred flagrou aquela cena todo o plano de Luvi poderia vir à tona
o que o deixou desesperado. E dentro deste mar de desgosto Luvi andava de um lado para outro, não lhe vinha outra alternativa que não fosse a de dar um fim à vida de Adrian pois ele era o culpado de toda desgraça acontecida...

Continua... daqui uma semana o proximo capitulo.

Nica Gomes



Nica.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradeço seu carinho!

Casa do Poeta de São Paulo

Casa do Poeta de São Paulo
Presidente Wilson Jasa, Vice Presidente Adriano Augusto, Embaixadora Cultural

Movimento Poético

Movimento Poético

Associação de Poetas Portugueses

Associação de Poetas Portugueses

Casa do Poeta de São Paulo

Poderá também gostar de:

Postagens antigas

Seguir

Obrigado à todos visitantes!

Maria Ruth

Maria Ruth
Artista Plastica

Titulo - Criação By Nicah Gomes

Titulo - Criação By Nicah Gomes
Tela - Acrilico TM 1x20 1.00

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Translate