quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

Remédio paliativo

Instantaneamente percebo o corticoide em sua palavra
 infla, desconforta  ouvido, pedra, vala ou valeta.

 - Certos adjetivos que teoricamente seriam precisos
em suas manifestações ficam ocos por falta de preposições.
 - Tu sujeito dissolve, escorre, discorre  tuberculose intelectual !

Teima em seguir no caminho sórdido da ilusão 
- Cura-te pobre diabo!

Guerreia por seu ideal, em tempos de cólera o maior serve o menor,
esqueça tua fome presente!

A batalha esta no fio final aguente firme,
 o frio carente é passageiro.
-temos todas estações!

Acorda sujeito!
 pois a fome vil do imediatismo engana,
Alucina, domina, azucrina   obesa ambição!

Mentira
 cria, cria...... procria...   escraviza...!!!
Mente vazia
?
?
  
 crava, encrava sujeito da escrava..
mente alienada... não faz uso  daquela ao qual conhecemos como mente brava

  sujeito de linguagem menor,
marcha sem marcha
sem massa...

Segue

 Toxinas encarnadas, vampiras endiabradas. 

Enzimas sem rimas 
apenas rumores
Rumores sem rumos...
Rumos são para Autores

"não"
para sujeitos amadores
de
fracas emoções
 fiam-se de suas dores para causar
 dissabores...
... subordinados obedecem  aos falos futicos.

Sujeitos compostos de péssimos  gostos!
arrumem outros pressupostos
ou acabaram nos esgotos
das aberrações.



Nica Gomes
  

segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

Imagem

-  Imagino, falo, faço, aconteço, porque mereço!
Mereço seu apreço, mas não quero pagar o preço.
Preço do seu AMOR que imagino ser parecido ao gesso de horror!
Começa poeiro... passado um tempo  mistura-se à água cotidiana..
virando rotina  levemente pastosa, transformada à obrigação seca e rígida.

Imagino... imaginar como seria nosso começo!
Começo ao qual desconhecemos o motivo da descontinuidade do nosso apreço .
Seu falo em minha fala cala egoismo que em minha garganta rala
Rala, aranha!
- desce na minha entranha me arranha...
Continuo  imagética, falante,
 acontecendo e merecendo, questionando.

Nica Gomes


terça-feira, 17 de janeiro de 2012

Manos

- Manos passiveis,
de quaisquer mudanças "mundanas"

Minas passadas,
sem valores deixam todos planta-lhes "dores"

Ouço historias de internautas que tratam mulheres
como flautas!

Assim caminha a humanidade totalmente,
- totalmente sem lealdade
liga umas para as outras para falar iniquidades.

Chega manos!
 vamos parar com excessos de vaidades

Abra sua massa cinzenta, construa sua cidade!
- Liberdade...

Nica Gomes



quarta-feira, 11 de janeiro de 2012

Tirando da frente

De longe à porta se abriu
Ouvi falas falecidas
Vi guerras vividas
Atravessei o mundo...mudo e surdo.
Esqueci as farpas  covardes
Acolhi criança no colo, acolhi
 até que ela pudesse andar em solo!
Solo " solamente una vez" solo" .



Nica Gomes

terça-feira, 10 de janeiro de 2012

Dorso ou Cabeça

- Comodo encontrar artifícios 
para alimentar paixão falida?
Talvez assegurando-se
no sepulcro rubro, ordinário de um fato qualquer!

- Junta suas tralhas...
-  Túnicas incultas que cobriam suas ágeis façanhas!
Suma com sua pupila cingida, cínica agora falecida. 
.
Monstruosa  espinha dorsal, fica na espreita à
 espera da serenidade apostólica
para mostrar sua negra retorica.  

Endireita-se vista um pouco de dignidade,
 bata em retirada com resolução,
 desdenhe do rugido da vaca albina !

Coragem !
mesmo sabendo que adjetivo é para poucos...
Insisto !
Coragem!
Pobre diabo!

Adversário de tuas próprias vinganças?
pois sim,
 ao menor urgido da vaca traíra fica preso em sua destemperança.

Sai correndo em meio ao pasto, pupilo sem vestes
mostrando seu extraordinário dorso
" pena que não possui pescoço".

Nica Gomes





segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

Guerra fria

Provando  vulnerabilidades
percebemos táticas velhas em soldados teoricamente (   jovens  )
Soldados rasos carregam armaduras pesadas
que infelizmente desabrigam  movimentos cruciais
para  evoluções naturais.

Nica Gomes



sábado, 7 de janeiro de 2012

O Pincel e a Tela

Pergunto ao Pincel quais razões poderiam existir para esmorecer
diante da Tela?

O Pincel para por alguns segundos e diz;  talvez tenha sido o fato de chegar perto da Tela
e lá, me deparar com  formas figurativas que não foram elaboradas por meus movimentos,
ou quem sabe foram as promessas não cumpridas pela senhora Tela. Pois ela havia viajado
dizendo que a distancia seria diminuída através de telefonemas que por sua vez não aconteceram,
logo me sinto no direito de rejeitar ou negar meus anseios ainda que essa negação me faça sofrer, quem sabe assim a insensível senhora Tela se adverte que sua postura insólita me magoou.

- Em seguida dirijo a mesma pergunta à Tela que prontamente responde; caro Pincel talvez tenha omitido
algumas figuras existentes em minha vida para você, no entanto vejo  por sua rigidez,  que atribuiu a condição de abortar nosso projeto por pensar que meu  intuito era de usar sua astis e abandonar-te até o próximo desenho em meio ao norte da cidade.

Confesso amado Pincel!
- falhar! é natural sabia?

Compreendo seu pressuposto transeunte. Agora pare,  pense! responda para o espelho pois assim não terás necessidade de mentir...
É justo negar essência natural?
Deixar o orgulho comprometer  na composição de  tintas novas composta por cores quentes, alegres, saltitantes, brilhantes em  nome do que?

Castigo por um crime ensaiado não executado, releve querido Pincel pense em tempos reais lembre das sabias palavras do mestre Ghandi "Só existem dois dias do ano em que não podemos fazer nada. O ontem e o amanhã."

Portanto querido Pincel  faça hoje,  novas linhas,
expresse, use, abuse das formas psíquicas inimagináveis, seja dono de você. Domine sua vontade, pois ela é traiçoeira.
- Pare! continua  no condicionamento Pavlov, será que você consegue criar uma reação sem experimento?
posso   ter ousado em usar tais palavras no entanto acho que são cabíveis diante de tal covardia.


Eu, o Tripe  vos digo .
 Tais respostas   escondem  extraordinários desenhos em meio à rascunhos.

Tomei litros de risadas ao ouvir ingenuas explicações!
    Hipotecarei  tudo no meu banco de memorias, não póstumas claro.



Nica Gomes
   

sexta-feira, 6 de janeiro de 2012

Chuva inteligente

Corpo estremece, emoção grita, coração agita
So (riso), sorriso...
saudade, sau, sau, salgado.
Viagem profunda com adjetivo perfeito...

Ser único, ou melhor singular em meio a pluralidade do momento
Massa cinzenta!
 estimula...acumula...
... abre, contamina, germina a vida de um simples mortal.

Encaixe de falas sentidas,  expressões de emoções contidas
em tempos de gelo absoluto.

Saudade é meio oceânica , parece um mergulho no mar
relaxa ao pensar, mas seca a boca ao mergulhar!
Quero outra vez seu sal provar.



Nica


Casa do Poeta de São Paulo

Casa do Poeta de São Paulo
Presidente Wilson Jasa, Vice Presidente Adriano Augusto, Embaixadora Cultural

Movimento Poético

Movimento Poético

Associação de Poetas Portugueses

Associação de Poetas Portugueses

Casa do Poeta de São Paulo

Poderá também gostar de:

Postagens antigas

Seguir

Obrigado à todos visitantes!

Maria Ruth

Maria Ruth
Artista Plastica

Titulo - Criação By Nicah Gomes

Titulo - Criação By Nicah Gomes
Tela - Acrilico TM 1x20 1.00

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Translate