quinta-feira, 29 de dezembro de 2016

Falar / Comunicar

Parede que divide o receptor e emissor em tempos tão modernos para algumas  coisas simplesmente estão perdendo  a força como por exemplo  comunicar, dificuldade  crescente em nossa sociedade, inicia-se a guerra  quando simplesmente entramos no elevador nos deparamos com  estilhaços em meio aos dentes que soalham  adjetivos em pedaços minúsculos, com mais alguns passos chegamos a cena do crime à padaria " meu Deus " ali voce encontra esmagado em minusculas partículas o que dizem ser verbos! mas o pior não é somente a pronuncia mas a fala entre a glote e epiglote talvez um código morse, custa falar e comunicar?  senhor!

A arte primordial  "comunicação"  esta palavra que deriva do latim communicare um fenômeno sem igual para acomodar o  momento leve e descontraído em meio ao oceano  que existe entre as pessoas, com altitude comprimida em inspiração, entusiasmo,habilidade, naturalidade e conhecimento...

Ouvindo, imaginando, pensando  cena surreal de seculos e seculos através de caminhos percorridos por desbravadores da palavra, que consentiram circunstancias  como também teatralização registrada por  pupilas de fartas fluências  em nossa historia imagino o reboliço dessas almas neste mundo contemporâneo  onde a comunicação resultou em pontos e virgulas virtuais...

Nicah Gomes

quarta-feira, 30 de novembro de 2016

Patrocinio Cultural Colegio Paulino e Paulino


É-me  fácil falar sobre  o Colégio Paulino e Paulino uma instituição  que atua  na educação à  25 anos, ensinando as crianças aprenderem  ler o mundo, um colégio com visão e ambição literária. Abraçou o projeto Olhar da Língua Portuguesa no Mundo compartilhando da máxima de Fernando Pessoa " é preciso navegar" . Quando declamei meus pensamentos a cerca deste sonho para a direção do Colégio aulino e Paulino foi recebido com respeito e louvor, nada é mais gratificante que compartilhar tal façanha de um projeto. Vamos conhecer um pouco deste projeto.
Trata-se  uma ponte literária que irá transportar a leitura  luso brasileira  através  do projeto de antologia com o titulo  Olhar da Língua Portuguesa no mundo. Ecritores   entre os países irmãos. Este projeto  acontecerá a cada biênio. Parabéns Colégio Paulino e Paulino por esta ação o mundo  literário agradece vossa contribuição.
 








sábado, 29 de outubro de 2016

Índios / Pauliceia

Estava imersa em meio poluição sonora, desviando hora de zumbis, hora lá do povo que vive ao Deus dará, quando de repente me deparo com uma família de índios sentada na calçada debaixo de um sol escaldante, indiozinhos que não tiveram a chance de sentir suas terras em tempos magistrais, ali mesmo naquele lugar onde estavam prostrados com dois ou três artesanatos, ao lado de seus corpinhos providos de olhos órfãos, sem imaginar que ali, seus ancestrais podiam pescar caminhar  e até brincar as margens do rio itororó, bem pertinho do Anhangabaú que como diziam os índios  que ali tinham maus espíritos, que é realmente o significado ao pé da letra do rio Anhangabaú. 
O que fizeram com esta paisagem foi exatamente o mesmo com o povo indígena que viviam por ali, dizimaram toda referencia, de maneira tão brutal que não existe ao menos uma menção do que tivemos por ali.
Um cidadão para crescer na vida precisa de memoria! 
Uma cidade para ser valorizada precisa de memoria!
Um País para ser valorizado precisa de historia!
Penso que podemos arrumar este Alzheimer de nossa sociedade, cidade e país, são pequenas medidas de valorização que ao longo das décadas somaram em uma sociedade digna.
Acho que aqueles pequenos índios que ali estavam precisam se apropriar de suas historias, certamente na próxima década serão adolescentes sem qualquer referencia o que me deixa triste. Aquela cena permanece em minha mente, todos sentados vendendo aquela ínfima quantidade de artesanato, com os olhos mais distante que o  oriente.
Porque precisa ser assim? quem disse que não merecemos memoria? que pena! esta cidade é uma verdadeira miss!
Se fosse minha vozinha diria que esta cidade é um pão francês, bonito por fora e oco por dentro.
Acho que  podemos fazer mais sempre, independente de situação monetária, as ações que nascem do amor  prosperam sempre, esse descaso precisa de freio. A memoria é vital para uma cidade, com ela todos que à ocupam vivem, não mendigam o pão de cada dia. É preciso trabalhar ,comer, dormir e ler o mundo.
 
Nicah Gomes

quarta-feira, 26 de outubro de 2016

Margens e Águas da Pauliceia

Hoje observei  movimentos de águas que brotavam de nascentes  triunfantes, elas escorriam entre pedras, lodos, matos,galhos, flores, animais e as vezes sua gotas passeavam  em seres... humanos? sim! porque esta interrogação? - bem por deveras vezes a  aparência poderia ser a convenção ao qual conhecemos como "humanos" no entretanto trata-se de poderosas personas.
 Mas  água não deixa de ser água, por tocar nestas mascaras, mas as mascaras deixam de ser personas ao tocar em águas  transparentes.
Cachoeira natural de adjetivos e verbos saltitantes em estômagos pequenos e figados gigantes.
- lastimáveis bilis,  são  cordas soltas de pudores, prezas em vaidades que circulam viceras  acima!
As margens estão  peripécias sem perspectivas apenas troncos sem frutos, no entretanto magistral e poderosa  segue água corrente que mesmo sem dentes cortam pedras e mentes. . .

Vejam a cronologia  até parece uma brisa vadia, mas ai esta a folia  perspicaz dos anos que jaz, hoje acabou, o amanha não existe mais então para que buscar certezas em meio as correntezas encanadas debaixo de ruas rubras de horror, de calçadas  cor de café, não cabem nem mesmo  o dedão do meu pé.
Amo estas nascentes ouço os gritos do Itororó que os homens enfiaram nos cafundó.
È-me difícil compreender porque somente eu posso escutar vocês nascentes sem dentes. lembrei -me a frase de Napoleon Hill quando teus desejos são suficientemente fortes aparentas ter poderes sobre-humanos para os alcançar.
 Então um dia tocarei neste corpo aquoso e suas digitais umideceram meu coração, aguas encanadas para voces declarei meus poemas e minhas invenções.
Por hoje é isso!

Nicah Gomes

quarta-feira, 19 de outubro de 2016

Centro de São Paulo

Estou as margens do rio Anhangabaú  sentindo a brisa passar pelos meus dedos como areias  que abraçam as ondas do mar.
Aqui podemos degustar chás e tocar nas flores, ao lado de nascentes onde passam bichos e gentes, meus devaneios são incontroláveis, quando vejo voltei dez décadas, e com um sopro quente retorno ao presente.
Sou apaixonada por ação, seja da palavra,  do movimento propriamente dito,  acho que  sinônimo de humano deveria ser multiplicação,  não descendentes,  não somente do pão, mas literalmente de mãos.
Mãos que se entrelaçam,
Mãos que disfarçam,
Mãos que se beijam
Mãos que transpiram
Mãos que dançam
Mãos que plantam
Mãos que colhem

Mas este é outro devaneio  que cultivo dentro do meu anseio.
Quando caminho pelas veredas da pauliceia vejo tantas arvores, cavalos, bondinhos e até passarinhos
que sobrevoam    nesses lenções cinzas que cobrem as nascentes  que quase ninguém é consciente.

 À floresta que outrora era palco  de  chás e barquinhos, cidade que acolheu tantas  liberdades esta quase perdida no templo de vaidades. São homens que constroem e cegos que  destroem.

Pior que desfazer da fazenda de chá, é destruir toda memoria que passa aqui e acolá.
Sinto  uma alegria solitária ao passear pelo bairro  Bela Vista, vejo tantas paisagens, mercadores, passageiros, feirantes  e vendedores de sonhos ambulantes .

Fico perguntando ao sol, o que será que aconteceu com o rio? pois  sinto suas veias pulsarem em meus pés, os índios diziam que a palavra Anhangabaú significava espíritos do mal, hora veja,  será que meus dedos tremem por sentir  esta  vibração? caminhando mais um pouco encontro uma arvore ao lado da água  encanada,  observar  espíritos que ali vagavam e ainda estão ali de um lado para outro sem destino ou prosa, eles ficam a esmo do tempo sem ponteiro, talvez um calendário inventado para justificar olhares parados.
-Viver sem   historia  é  sucumbir a própria memoria.

Nicah Gomes

sábado, 15 de outubro de 2016

Sete Tias TPM (Útero)

 Útero sofrendo descamação,  mulher  rodopiando igual   pião, tá ai um mistério dos deuses, que ninguém desvenda não! esta chamada menstruação! 
 - bendita seja esta sangria!  por possuir  tantos apelidos que nem  fruta lá no sertão. 

Na Bahia tem gente que chama de "boi", aqui em São Paulo dizem que é o  "chico"  ... as  meninas  dizem sinal vermelho, as mais velhas dizem que  estão naqueles dias... as adolescentes    dizem;   desceu !
- Santo Deus! me diz? desceu o que? nesta hora entra  de bom tom  alegoria de Platão.
 È mais ou menos assim tentar explicar   sintomas e apelidos para menstruação. Freud explica, notável chavão que muitas mulheres usam ao mencionarem destemperos orgânicos.   

Mas vamos  conhecer algumas  tias TPM algumas  flutuações hormonais que as rondam? então vamos embarcar nesta família. 

Estão escutando  gritos? um caminhar rude? - prepara!   lá vem  Tia  220 volts  sem proteção!
Basta olhar;  para bichinha faiscar,  é tão elétrica que Itaipu perde seu lugar.


- Se você tiver coragem enfrente  a Tia Dona da Verdade, seus  hormônios passeiam a velocidade de formula 1, quer desaforar  até ogum, caso você descorde de uma situação, lá vem sermão declarado com tanta paixão que cansa até quem esta deitado no caixão.

Vem vindo uma das mais fáceis de detectar a Tia Pacu, fica toda inchada com cara mal humorada parecendo que tomou uma topada ave maria ainda bem que isso não acontece todo dia senão ela explodia.

Das Dores é Tia mais sossega fica de cama não quer saber de mais nada! movimenta apenas os olhos em busca de um copo de carinho e  alguém que lhe traga água composta de  buscofem. Sensível  tem  pele  flor de veludo  um vento à toa lhe atordoa  como quem se molha na garoa e fica úmido com cheiro de kiboa.

Tem também a Tia Tieté quando encosta em você nem preciso dizer... o coitado do gambar fugiu  ao conhecer.

Não poderia deixar de mencionar a Tia Intelectual chocólatra, ela explica seus sintomas numa métrica hormonal   minha progesterona , meu estrógeno  querem compor uma poesia com meus neronianos  e minhas vísceras , para tanto preciso consumir C7h8n402 e assim minha ansiedade dormir.


Para fechar as tias com medalha de ouro vou chamar a mais   engraçada a Tia Tarada pega no cabo da enxada limpa tudo  que ver na estrada, ai de quem tentar  impedir sua jornada poderá conhecer o poder da cerra pelada.

Nicah Gomes





domingo, 9 de outubro de 2016

Olhar da Lingua Portuguesa no Mundo

Mais uma etapa que conseguir contemplar graças a contribuição de muitos braços, é sabido que para realizar um projeto, precisamos de muitas, mas muitas pessoas para realizar até mesmo uma pequena ação, neste caso uma grande ação que contemplou muitas mãos voce poderá ver como foi o pré lançamento do Olhar da Lingua Portuguesa no Mundo.

quinta-feira, 6 de outubro de 2016


Sucesso Abaixo Assinado - Bairro Bela Vista

Com muita alegria comunico meus amigos que foi concedido por mediação do gabinete Vereador Adilson Amadeu para Secretaria da Segurança Publica. Oficio com o parecer de novas medidas de segurança no Bairro Bela Vista, muito obrigado a todos que assinaram minha abaixo assinado fazendo valer nossos diretos!
Acredito no poder da AÇÃO em conjunto, acredito em nosso país,  creio  que a poesia ensina as pessoas e lerem o mundo.  Amo o Brasil devemos tomar medidas para mudanças e retirar as famosas e cansativas conversas de elevadores... de pessoas que acostumaram a terceirizar a culpa... vamos assumir nosso país, como dizia Rui Barbosa "  O HOMEM QUE NÃO LUTA PELOS SEUS DIREITOS NÃO OS MERECE  USUFRUIR " !
Parabens a todos ! OFICIO SSP/GS / AE n° 957/2016 - Mef

sábado, 1 de outubro de 2016

Mercado Municipal / Meu Passeio Peripatético

Passeando  nos  arredores  numa  pequena embarcação desço no rio Tamanduateí para debruçar numa  manhã  primaveril  decantar  um chá no céu da minha boca como quem toca e ama de paixão   pitorescas frutas  no prelúdio   de verão.
Esta é a fotografia imagética não genérica daquela região.  Hoje  para chegar ao mercado municipal, já não existem  margens,  barracas de chás
flores nas ruas, hoje estão sob chancela do mercadão. Ficaram  apenas  referencias daquela época,  poucos metros de lá a composição de ferro que recebeu  o nome do que podemos  contemplar 
" famoso viaduto do chá". 
Exatamente no rio Anhangabaú, fico pensando   os índios   devem estar em ebulição  em algum lugar do passado com o rio encanado  e pedra para todo lado.
Volto ao mercado municipal para  encontrar por lá  o brilho do viver e contemplar  com pessoas que caminham lentamente  conhecem cada fazenda do cercado,  cumprimentam todos que passam entre os lados.
Sim esta cena existiu  e persiste por lá meu amigo!
 Hoje esta comunhão nas ruas não existem mais, no entanto tenho uma noticia boa demais,  ao adentrar aqueles portões voltamos décadas e décadas atrás , você pode encontrar pessoas para  alma descansar, são barracas de gentes queridas cheias de vida somente indo lá para você comprovar!  
São especiarias de varias regiões, chás que acalmam e aceleram sua palpitação.  Frutas  selecionadas  que facilmente são embaladas prontas para viajar e perdurar sua emoção, pescados direto do mar, carnes  em cortes precisos , sem falar dos pasteis  que são carinhosamente recheados  diria até que os recheios são deitados em camas  de trigos.
sanduíche de mortadela ah sanduíche!  coisa mais bela  que uma pessoa  pode ver e  comer , gente acho que mais apropriado seria dizer: abraço de  mortadela  no  pão ! somente indo  lá  você irá entender esta expressão.

São tantas as opções mas entre elas existe uma salada de bacalhau na banca do  Ramon  gente é sensacional  voce olha aquela salada gigante e colorida  e deliciosa isso posso afirmar  ela é linda e gostosa! sem mencionar o atendimento excepcional  caso você decida comprar um vinho, queijo a consultoria é um brinde da casa, lá você encontra exatamente o calor humano de tempos atrás. Como dizia minha vozinha querida quando fazemos um itinerário de sucesso temos de repetir sempre.  Sigo à risca! 
Até mais!
Nicah Gomes  


terça-feira, 20 de setembro de 2016

Lançamento Olhar da Língua Portuguesa no Mundo

Este projeto foi possível  com o apoio de muitas mãos, quando idealizamos um sonho, o campo das ações germinam naturalmente, assim também como os obstáculos, foram dez meses de muitos ensaios neste laboratório da vida. Para ser sincera imaginar o tamanho do esforço  seria paralisar   este sonho, no entanto faltando apenas algumas horas para acontecer tenho de agradecer  todas pessoas  e instituições envolvidas  neste florilégio luso brasileiro.



sexta-feira, 9 de setembro de 2016

Exposição O futuro será uma réplica Isabella Lenzi Curadora


"O futuro será uma réplica"
Existem muitas exposições  em nossa cidade, no entanto foi na exposição " o futuro será uma replica" na curadoria da jovem  Lenzi que sentir o sabor  do sal e açúcar em "medida guerreira", unir  dois polos sem  diminuir  o valor de cada um,  é quase arsênico, no entretanto sua intuição designou minuciosamente   a junção entre  um filho  recém-nascido Brasil e um pai centenário Portugal. 
Diferença cronológica entre os mesmos  que passaram  despercebida por destreza de acomodação dos objetos, feitos e fatos.  
  Caminhando entre as sensíveis captações da retina de Lourdes Castro artista plastica que  revela suas  angustias contemporâneas  de maneira lúdica navega para o poente. Entra a enfeitada performance " jardim da gozolandia de Pricila Fernandes  provida de  espetacular  ousadia  em produzir uma cena  nau de critica e confiança, total desconstrução das plataformas rígidas, ali mesmo à beira da piscina  dezenas de pessoas com olhos esbugalhados  dispostos  à criticar  suas feições  entre " paz e guerra" como também as inquietações marchavam juntas. Ancorou ali uma navegação que poderia falar por dias incansáveis, debruçando distintos e intranquilos  fatos sociopatológicos, momentos  emblemas como também rótulos ardentes  flutuavam naquela cena pintada com pinceladas bucólicas que causaram algumas cólicas irreais. 
Parabens Lenzi equipe e artistas!
   
Beatriz ChristalLila BotterAline ValliHugo GravanitaKarina Subitoni KariyaAbilio Laranjeira de Almeida 
Paulo Pires do Vale, Beatriz Matuck,

Nicah Gomes

quinta-feira, 25 de agosto de 2016

Bienal - Contagem Regressiva

Vamos construindo  castelo de palavras para imortalizarmos nossas vidas!
- convido você para um passeio  peripatético  embalado por contos, prosas, heresias, historias  imagéticas  ou vivencias  poéticas de  escritores desbravadores deste mundo composto de olores.
 Esta em suas mãos  escolher entre
o cheiro indelével de viver  dessabores ...ou inenarrável   flutuar em torrente de amores.
Nicah Gomes

sexta-feira, 1 de julho de 2016

Presente - Gratidão Eterna - Poeta Wilson Jasa

NILZANGELA DE LIMA SOUZA

Nilzangela aqui chegou,
nesta Casa do Poeta
de São Paulo e aqui ficou,
pois ela aqui se completa.

Seu talento nos mostrou,
e também a sua meta;
ela a todos conquistou,
desta Casa tão seleta.

Com sorriso encantador,
lendo seus versos de amor,
transmite seu sentimento.

Segue avante seu caminho,
de espinho e também carinho,
vivendo cada momento.          (28-06-2016)

(Poeta WILSON DE OLIVEIRA JASA)

segunda-feira, 27 de junho de 2016

Adeus

Falsidade, verdade, realidade
Sentido, cupido, despido
Amor, dor, estopor

Valente, crente , agora ausente
cristalina, purpurina, alucina
-  tua alma de menina

Infinito não foi dito
Hora sem aurora
Somente o horror

Horror de sua ausência
Paciência, displicência
Caiu, fugiu, olhar sumiu

Certeza unica finita maldosa
tu me deste a prova
morte porque grita sua trova.

Nicah Gomes

Escrevi este poema pelo adeus à uma amiga que se foi, jovem estrela!

 

domingo, 12 de junho de 2016

Sem/ Ócio

Concordava com  Domênico De Masi  ocio criativo é imprescindível
no entretanto disponho zero tempo para criar e ainda assim tenho vários filhos gerados a partir de mil tarefas.
Textos
Pinturas
Leituras
Pesquisas
Decorações
Estudos
Cotidiano domestico,
 sim em meio a tudo isso deparei-me com trinta dias de maquinas de lavar acionadas e o resultado dezenas peças de roupa para organizar!
Olhando para a cena tive de parar  e fotografar, aquelas roupas coloridas  numa desordem linda, tantas cores e informações, cada peça dobrada a imagem do lugar, o cheiro do vento, que loucura
uma tela em aquarela comecei a pintar.
Ebulições  nem mesmo quando durmo, elas sossegam,  por tantas vezes preciso levantar para escrever  pensamentos  que norteiam e oxigenam minhas vísceras e minha alma.


Nicah Gomes

quinta-feira, 9 de junho de 2016

Antologia - Olhar da Lingua Portuguesa no Mundo

Quando pensamos em realizar algo que tenha uma dimensão encorpada, para assim poder ajudar mais pessoas a realizarem seus sonhos ou melhor realizar sonhos coletivos este pode ser  um exemplo de uma antologia literária, a união de vários escritores que desejam divulgar seus trabalhos como também partilhar a magia do lançamento do livro.

Momento este que proporciona não somente alegria  do evento como também de criar laços fraternos duradouros. Escrever um projeto é sempre  uma surpresa, Este projeto!

 " Olhar da Língua Portuguesa no Mundo " nasceu logo após o trimestre de eu ter realizado um encontro literário luso brasileiro, onde tive alegria de conhecer pessoas incríveis, partilhar opiniões
 poesias, neste encontro foi plantado em meu coração a semente do próximo projeto à antologia poética.
Para  contemplar  não somente aqueles que estavam presentes como também outros grandes expoentes de nossa língua portuguesa espalhados pelo mundo.

 Assim nasceu esta lindo projeto que  criou forças e começou a ganhar o mundo fazendo jus ao titulo, pois teremos lançamento aqui no Brasil, em Portugal e NY é com grande alegria que partilho com meus amigos este projeto.
Em breve postarei as novidades que estão no forno,
Agradeço ao meus amigos e parceiros nesta jornada.
Att

Nicah Gomes

domingo, 1 de maio de 2016

Gratidão

Com o passar das primaveras percebemos tantas alegrias guardadas em capsulas cotidianas  que tomamos tão automaticamente  sequer percebemos o efeito muscular.Ela  dissolve rapidamente e não comove!
Então a melhor parte da cronologia; a linda graça de ser grato por acordar abrir a porta,  deparando-se  com a magnitude  da natureza que nos cerca, tudo parece tão obvio,,  céu azul leite quente vida de gente.
Falar para o vento ou para alma sobre a beleza de ser inteiro, de saber realmente o que deseja e almeja.
 Quando  sonhamos  nesta existência poeria esquecemos de ser grato por tudo que nos faz companhia. Seja pedra, pau, pincel, folha, papel,pensamento, tinta, pessoa e até  garoa, mas que coisa boa chega uma hora que tudo voa.
Os dedos correm para refugiar-se nas   letras, tons, linhas e sons.
Começa aquecimento do coração, novo processo sem recesso ou depressão somente inovação
Chegamos à sublimação divina, você não toca, você não fala, simplesmente ela te cala.
Nesta existência agradeço por tantas inquietações ,  ebulições intermitentes   criações  e ações que justificam minha existência.
Nascer é morrer todos os dias, viver é aceitar a morte dos dias!
Quando nos damos conta desta morte real tudo muda, até um pedaço de uva!
Hoje sou gratidão!
Quero agradecer a todos que souberam compreender minha infantilidade em tantos momentos que mereciam maturidade.
Agradeço as dezenas de  nãos que recebi, pois assim pude escutar centenas de sim!
Agradeço as pessoas mais densas que conheci pois assim pude identificar tudo de ruim que ainda havia guardado em meu coração.
Agradeço pelos relacionamentos fracassados pois me deram oportunidade de crescer
Agradeço a mas dura dor que minha genitora me causou transformando meu conceito de apego em amor!
Agradeço todas solidões que vivi proporcionada por meu super ego, pois assim renasceram as linhas de minhas paixões.
Agradeço as pessoas que me roubaram objetos que pareciam insubstituíveis até o momento que elas levarem  para perceber que não valiam um grama de meu pensamento.
Agradeço aqueles que se diziam amigos mas traíram minha confiança, pois surgiram novas alianças
Agradeço aos feiticeiros, que por duas vezes vieram me procurar para contar sobre as façanhas de duas mulheres que por eles foram buscar para com minha vida acabar!
Agradeço por morar neste lugar onde nunca pude imaginar, pois aqui minha arvore  começou a falar!
Agradeço   a Deus por minha existência perpetuar.

Nilzangela Lima
003 -

01/05/2016

domingo, 3 de janeiro de 2016

Mais um Presente Poesia da Alma Para Minha Alma - Poeta Adriano Augusto da Costa Filho.



ODE  À  NILZANGELA DE LIMA SOUZA !

Adriano Augusto da Costa Filho

 

Nilzangela, no Brasil nascida,
Às lides artisticas foi conduzida.
De eras eternas muito distante,
Trouxe das almas a beleza no semblante !
 
Emérita artista com lealdade,
Superou toda e qualquer adversidade.
Da mente humana profunda conhecedora,
Traz para todos a beleza realizadora !
 
Na educação e na beleza da palavra,
Escreve sempre mensagens de sua lavra.
Conhecedora de alguns idiomas,
O nosso "português" e línguas romanas !
 
O seu falar às almas ilumina,
Com doces palavras a todos ensina.
Que em todas festas de sua terra natal
Comparece por ser dali uma natural !
 
A criatura especial , 
já esteve em todo Brasil,
Gostando muito desta terra varonil.
Conhece o mundo em terras distantes,
Em todo lugar mostra modos elegantes !
 
Os pendores de sua púrpura inteligência,
Por onde passa deixa o rastro de flagrância.
Quem a conhece sabe de sua gentileza
E a adorará sempre com toda certeza !
 
   
 " Nica Gomes ", traz no seio de sua alma,
A beleza infinita do ardor e da calma.
Produto eterno de uma linda geração
Própria da raça e do seu coração !
 
Eu em verso ao som de uma lira,
Com certeza meu coração aspira.
Sou dela o mesmo sangue ancestral,
Por essa razão no mesmo tom astral !
 
De longinquas eras eternos descendentes,
Um mundo grandioso de todos parentes.
A Nilzangela , para nós um sonho espetacular,
Concebida por Deus e vinda para amar !
 

Só quero sempre novamente encontrá-la,
E abraçá-la, em todo o seu ser.
Nica Gomes  , criatura luminosa,
Deixou um rastro em nossa alma saudosa !
 
Seu coração brilha em todo lugar,
Com o carinho que sempre vai dar.
Dá a todos seu brilho sensacional,
No Brasil  e em Portugal sensacional  !!!


ADRIANO AUGUSTO DA COSTA FILHO
Casa do Poeta de São Paulo
Movimento Poético Nacional
Academia Virtual Sala dos Poetas e Escritores
Academia Virtual Poética do Brasil
Academia Poços-Caldense de Letras- M.G.
Academia Ipuense de Letras.C.Artes do Ceará.
Ordem Nacional dos Escritores do Brasil
Associação Portuguesa de Poetas/Lisboa/Portugal

 

Casa do Poeta de São Paulo

Casa do Poeta de São Paulo
Presidente Wilson Jasa, Vice Presidente Adriano Augusto, Embaixadora Cultural

Movimento Poético

Movimento Poético

Associação de Poetas Portugueses

Associação de Poetas Portugueses

Casa do Poeta de São Paulo

Poderá também gostar de:

Postagens antigas

Seguir

Obrigado à todos visitantes!

Maria Ruth

Maria Ruth
Artista Plastica

Titulo - Criação By Nicah Gomes

Titulo - Criação By Nicah Gomes
Tela - Acrilico TM 1x20 1.00

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Translate